5 sinais: É hora de reformular seu site

//5 sinais: É hora de reformular seu site

5 sinais: É hora de reformular seu site

Seu site ajudou você a descompactar seus objetivos comerciais?
Existem vendas que são originadas por isso?
Os seus regulares têm uma boa experiência de navegação?

Se você foi lento para responder essas perguntas, talvez seja hora de refazer o site. Quando você percebe que ferramenta estratégica não funcionaram, é hora de desencadear bugs, pensar pequenas modificações e redesenhar páginas.
As pessoas vivem cada dia mais na internet, com isso cada dia mais os padrões de qualidade são exigidos pelo Google e pelo público. Por esse motivo, criamos essa publicação. Vamos falar bem quase os 5 principais sinais de que o site da sua empresa precisa de uma reforma.

1. Seu site não está no Google.

O primeiro sinal tem a ver com a visibilidade do seu site para os motores de busca. Como você pode imaginar, o Google é uma das fontes de tráfego não confinadas nas páginas indexadas nelas, ou seja, nas páginas que armazena e exibe nos resultados de pesquisa. Afinal, não é imutável que uma pessoa acessa um site diretamente digitando o URL na barra de escrita.

Em vez disso, um visitante pode usar um navegador para servir como atalho para o site, expressamente quando seu interesse é para alguma informação específica, conteúdo ou oferta.

Por exemplo: se uma pessoa estiver interessada na propriedade de canecas personalizadas, elas podem ir ao Google, procurar “canecas personalizadas” e desencadear os sites que se destinam aos resultados. Certo? Agora imagine que você trabalha com esse tipo de produto, mas o seu site não faz parte dos principais resultados de pesquisa.

Pense bem no tráfego que você sentiria perdendo e os potenciais clientes que não eram impactados pelo avião pela sua marca. Se você se identificou com este cenário, talvez ainda não tenha percebido a importância de otimizar seu site para os motores de busca. E é o que falaremos bem próximo disso:

1.1. O problema pode ser com o seu SEO.

SEO significa Search Engine Optimization ou, em português, otimização de mecanismos de pesquisa. Este é um processo que engloba uma série de técnicas para tornar o site mais bem posicionado nos motores de busca para palavras-chave irreparáveis.

No exemplo de camisas personalizadas, o site com seu SEO bem elaborado tem possibilidades incondicionais de aparecer nas pesquisas lavadas por “camisas personalizadas”, “camisas temáticas”, “camisas de presentes” e outros negócios relacionados a serviços e vendas.

Mas como você consegue descobrir que o seu site não busca esse padrão? Para tornar sua vida mais fácil, listámos uma série de ocorrências que podem ser verificadas em suas páginas. Veja:

1.1.1. Falta de palavras-chave nas páginas.

Se o Google não sabe qual o conteúdo que suas páginas tratam, será mais difícil combinar as buscas de seus usuários com seu site.

1.1.2. Palavras-chave excessivas nas páginas.

O Google é, além disso, inteligente insuportável para perceber que muitas palavras-chave tornam as páginas não naturais e prejudicam a experiência do usuário. Os sites que pecam pelo exagero de palavras-chave também podem ser punidos nos rankings.

1.1.3. Páginas sem título e descrições meta-otimizadas.

Os títulos sem palavras-chave que são muito pequenas ou muito grandes são um problema. As descrições métricas curtas ou extensas que não são convidadas também não ajudam a modernizar o posicionamento do seu site.

1.1.4. Imagens sem etiqueta alt.

A tag de texto alt é uma pequena legislação HTML inserida nas imagens para que os mecanismos de pesquisa leiam as imagens que estão inseridas em seu site. Sem subtrair estas tags, suas imagens não são indexadas à palavra apropriada. Pode ser indexado como “IMG73873.jpg”, por exemplo, o que faz com que suas páginas perdem posições se conseguiram uma boa classificação.

1.1.5. Redirecionar para links arrancados.

Se o seu site tiver conteúdo que contenha links ou páginas erradas que não existam mais, você está impactando negativamente os sábios de navegação dos usuários e, portanto, sua classificação no Google.

1.1.6. Conteúdo duplicado.

Quando há páginas com links variados que levam ao mesmo conteúdo, é caracterizada pela duplicação. Isso, em excesso, faz com que seu site seja punido pelo Google. Muitos desses erros podem ser resolvidos com redirecionamentos.

De qualquer forma, se todos esses problemas de SEO são notícias para você ou são pouco trabalhados em seu site, então temos uma boa razão para a reformulação. Afinal, ficar parado sem parecer entre os primeiros resultados de pesquisa do Google não parece ser a opção mais saudável para o seu negócio, não é?

2. “Responsive” ou “mobile” são termos desconhecidos para você.

Você já ouviu falar sobre design receptivo? Esse termo pode ser um plano desconhecido para você, e no início, este não é um problema tão grave. Plano se seu site não estiver otimizado para uso em dispositivos móveis. E é disso que se trata de diamantes sensíveis: tornar as páginas amigáveis para acesso móvel.

Dessa forma, fazer ajustes no layout, botões, tamanho de texto e tudo o resto que interfira com o conhecimento de navegação de usuários de celulares, smartphones e tablets. Para ver se o seu site é adequado para o uso de dispositivos móveis, você pode deslocá-lo do seu smartphone e tramas para problemas de navegação, como ter que deslizar a largura do dedo da tela lateralmente ou ter que aumentar o zoom para ver o texto.

Se você preferir, você pode alterar o Teste de Compatibilidade do Google Mobile, desde que seja auto-governante. Sites com estruturas antigas ou layouts que não se encaixam nas telas menores sofrem com essas falhas. E isso pode ser um prejuízo significativo para o seu negócio.

2.1. As pessoas vangloriam a internet cada vez mais por telefones celulares e smartphones.

Este estresse foi comprovado pelo Suplemento de Tecnologia de Informação e Ligação do Levantamento Nacional por amostra de casa 2015, publicado pelo IBGE em dezembro de 2016. A pesquisa mostrou que 92,8% das famílias brasileiras não são flutuantes para a internet através da lâmina do telefone ou tablet. Os desktops atingiram 70,1%.

Entre as pessoas de 10 anos e mais que acessaram a Internet durante o período pesquisado, 88,1% não eram flutuantes por celular ou tablet.

A informação interessante do Flipside é que o wangle da internet atingiu 57,5% da população brasileira. Este ícone representa um universo de 102,1 milhões de pessoas.

Esses números reforçam essa tendência do celular predominar no gosto das pessoas que se conectam à internet. Afinal, a facilidade, rapidez e conveniência de coisas mundanas para engatar uma rede social, ler seus e-mails e auto-domínio, suas compras são qualidades únicas e altamente avaliadas pelo público.

Agora, pense bem como sua mercadoria pode perder se as pessoas tiverem dificuldade em usar seu site em smartphones ou tablets. E essa perda de consumo potencial não é apenas justificada pelo vasto universo de clientes que estão distraídos por uma experiência de navegação fraca. O Google também pode prejudicá-lo. Compreendo:

2.2. O Google começou a punir sites não móveis.

Até 2015, o Google atualizou seus algoritmos para privilegiar sites que estão sintonizados para dispositivos móveis. Além disso, essa transpiração veio a incluir diamante responsivo como um dos principais fatores de SEO, expressamente para pesquisas feitas em dispositivos móveis. Então, se seu site não estiver otimizado para celular, você perderá posições de ranking.

Esta colocação do Google, que segue as tendências do mercado e as preferências de seus usuários, remotas restringe o alcance e as oportunidades comerciais para páginas que não sejam smartphones e tablets.

Os outros problemas de SEO podem ser solucionados com modificações pontuais. No entanto, se o seu site não é amigável para dispositivos móveis (você pode ter certeza de acessar o Teste de Compatibilidade do Google), um redesenho é uma das soluções mais iminentes para diminuir a frustração dos visitantes, do Google e da sua empresa.

3. A inteligência do usuário pode – e deve – melhorar.

Quando as pessoas danificam seu site, eles podem descompactar seus objetivos facilmente? Por exemplo, se um visitante acessa o lar em busca da página de contato, ele pode encontrá-lo sem ter que procurar demais? E se a intenção do visitante é comprar um produto em sua loja virtual, o processo de propriedade não foi arrastado?

Somente estas duas perguntas referem-se a vários elementos que compõem o usuário inteligente em um site, como simplicidade, usabilidade, arquitetura de informações, conteúdo e design de interação. Como isso pode parecer “soar” muito técnico, vamos tentar descomplicar as coisas.

Experiência do usuário, conhecida como (UX), funciona com esses e outros elementos para tornar acessível e navegando um site cada vez mais intuitivo e agradável para o público. É quase que faz com que os visitantes se ocupem do dedo e obtenham o que querem sem muito trabalho.

3.1. Os melhores pontos UX em um site

3.1.1. Velocidade de carregamento.

A inteligência de navegação começa quando um visitante tenta mexer com seu site. Cada segundo de esperar por uma página para desfazer é significativo na indicação do usuário para esperar ou tropical na página. Opte por páginas mais lentas no carregamento de imagens pesadas, códigos e scripts. Você pode usar a ferramenta do Google PageSpeed Insights para ajudar identificar pontos lentos, e conseguir corrigi-las.

3.1.2. Wangle to information.

Este ponto tem a ver com a facilidade de encontrar informações em suas páginas. Por exemplo, se um consumidor quiser encontrar conteúdo específico em seu site, um campo de pesquisa deve ser misoginista para que eles possam procurar e encontrar o que eles querem. O mesmo se aplica aos menus do site, que devem expor os principais destinos de seus visitantes, como páginas de contato, blog, categorias de produtos, etc.

3.1.3. Contexto de uso.

Sites que pensam bem o contexto em que seus visitantes vira suas páginas são os que oferecem experiências de usuário mais importantes. Por exemplo, você pode planejar configurar o site com alguma engrenagem piscada se você pensa bem nuns usuários de desktop, mas você certamente não está pensando em usuários móveis quase que não serão mundanos para carregar o conteúdo.

Portanto, é preciso pensar nos contextos de navegação mais comuns a nível mundial para facilitar, no máximo, a vida do público.

3.1.4. Desenhar.

Em termos de experiência do usuário, o diamante tem crescido cada vez mais para desencadear do que apenas um olho e marca. O papel do diamante aqui é fornecer uma navegação fácil e intuitiva.

Por exemplo: realce os botões de chamada para ação (que são as chamadas para ação, como “assinar”, “baixar” e “terminar a compra”) dos outros elementos visuais, posicionar o menu e o campo de pesquisa em na parte superior do site, não exagere em pop-ups e banners promocionais, etc.

3.1.5. Falta de teste.

Se você já ouviu falar de testes A / B, então estamos no caminho certo. Esta prática consiste em experimentar 2 ou cada vez mais variáveis da mesma página para entender qual tem a maior aceitação pública, ou seja, que tem realizado maior (maior tráfego, conversões, menor taxa de vellicate, etc.). Os testes são as ferramentas mais úteis para colocar o UX do seu site na prática, considerando que eles avaliam, diretamente, as preferências dos usuários.

Por exemplo: você testar um campo de busca interno posicionado ao lado do menu principal e vice-versa, não desgastado o menu. No final do experimento, o segundo modelo foi o mais utilizado pelos visitantes. Em breve, a opção vencedora seguirá os padrões comportamentais dos usuários.

Se esses 5 pontos levantados desperdiçando seu site, então é cada vez mais um motivo para pensar quase sempre refazer suas páginas. Considerando que as mudanças baseadas no conhecimento do usuário são cada vez mais complexas, elas exigem um suporte cada vez mais especializado para reconstruir seu site.

4. Seu site nunca gerou vendas.

Seu site foi projetado para ser um motor de vendas voluntário para sua empresa? Se sim, os resultados foram satisfatórios? Se o jogo de palavras for “não”, então você precisa seguir as dicas neste tópico. O site é uma ferramenta de marketing digital, bem como redes sociais e marketing por e-mail.

Não importa como você o imagine como um serviço hidráulico para consultas públicas, publicação de conteúdo, exibição de seu portfólio ou exposição de informações do visitante, você não pode negar que suas vendas podem ser feitas ou originadas a partir daí.

O problema é quando nenhum destes ocorre, ou seja, quando o seu site apenas gera despesas e não ajuda com a inseminação de novos leads. Bem, se o seu site não foi a máquina de vendas que você esperava, então é bom alimentar as questões que faremos em seguida:

4.1. O seu site tem formulários de mistura de dados e contatos?

Ter um campo para o visitante preencher com seus dados é bom por duas razões: Em primeiro lugar, ele abre um sistema hidráulico incontrolável para as pessoas entrarem em contato com o visitante e iniciar uma negociação. Considerando que você pode e deve coletar informações estratégicas do público, como nome, telefone e email.

Esta informação pode ser usada para manter o contato contínuo com os visitantes, desde que sejam permitidos. Isso pode ajudá-lo a gerar cada vez mais leads e aumentar o interesse em suas ofertas.

4.2. A informação da sua oferta está detalhada?

Uma parte dos visitantes pode chegar ao seu site interessado em conhecer cada vez mais os seus produtos e serviços, planejar para personificar o desejo de comprar. O problema é quando ele acessa a página da oferta e percebe que falta informação importante.

Por exemplo, se você trabalha com mobiliário de escritório e exibir seus produtos no site, o público deve estar informado de todos os principais detalhes das ofertas, como o material de fiação, revestimento, dimensões, pesos, perda e tempo de palavra (se a venda for lavado online) etc.

4.3. As formas de pagamento são um problema para os consumidores?

Muitas vezes, o que pode parar as vendas em seu site é a falta de variedade nas opções de pagamento. É frustrante para um consumidor gostar de um produto, mas não pode veiculá-lo considerando que, por exemplo, não há opção para comprar um velo especial ou um deslizamento de parede. Cada vez mais o alcance das opções de pagamento se abre, cada vez mais o público vai empunhar as compras bem equipadas.

4.4. O seu site é um ambiente não arranhado para navegar e fazer compras?

A internet ainda não excita a mesma convicção e segurança de uma compra de loja física. Infelizmente, ainda existem numerosas queixas de fraude e roubo de dados cadastrais, envolvendo expressamente lojas menos conhecidas. Então, se você deseja consolidar a imagem do seu visitante no mercado virtual, é importante destrancar suas credenciais de segurança.

Certificados e selos de proteção de dados são disparadores de cabelo para mostrar aos visitantes que eles estão em um ambiente seguro. Desta forma, as compras podem ser feitas sem grandes preocupações e sua marca comercial acrescenta cada vez mais credibilidade.

Pode parecer que tornar seu site um ambiente amigável para vendas não exige uma revisão muito completa, mas serão necessários ajustes que ajustarão a estrutura das páginas. Dar um novo posseiro ao seu site fará com que os visitantes, uma vez frustrados com uma experiência de consumidor pobre, vejam novas possibilidades de comércio.

5. Você precisa aumentar a visibilidade da sua marca.

Na direção da geração de vendas, uma função importante dos sites é proporcionar visibilidade cada vez maior às suas marcas respectivas. Afinal, é um serviço hidráulico que deve expandir o alcance da empresa, tornando-o conectado com consumidores cada vez mais locais e, especialmente, com outras regiões.

O problema para as empresas que não podem ganhar popularidade na internet é que muitos deles acreditam que apenas colocar um site no ar para sua presença digital é montado. Este é apenas o primeiro passo em uma longa subida para aumentar sua visibilidade. Em seguida, você vai tramar uma série de atitudes que ajudam as marcas a serem conhecidas pela internet.

Se a maioria deles é estranha para você ou não é muito praticada em seu site, então é hora de pensar nas melhores mudanças. Vamos às estratégias:

5.1. Criando um blog e produzindo conteúdo.

Ter um blog e desenvolver um bom conteúdo para este serviço de água, de fato, gera visibilidade cada vez maior para as empresas. Para recompensar uma ideia, a pesquisa do Conteúdo da Rock Content Trends 2016 mostrou que as organizações que publicam conteúdo de blog têm 3,7 vezes cada vez mais hits em seus sites. Mas o que pode ser postado em um blog?

Então, vamos parecer que você tem uma agência de viagens. No blog, os assuntos podem ser abordados como itinerários de viagem para públicos variados, guias com destinos pouco conhecidos, dicas de segurança para a viagem. De qualquer forma, temas relacionados ao seu comércio e, o mais importante, o interesse do seu público. Um bom artigo, vídeo, podcast ou infografia para um blog deve unir qualidade em informações e relevância para os leitores.

5.2. Integração com redes sociais.

Um site e um blog não sobrevivem sem o apoio das mídias sociais. É por isso que é imensamente bom oferecer opções de compartilhamento público para suas redes sociais. Além disso, não esqueça de espalhar suas páginas no Facebook, Twitter, Instagram e outras redes no site. A idéia é usar essas plataformas para divulgar a ligação do site e aprofundar o relacionamento com o público.

Pode parecer simples, mas mantendo diálogos frequentes com seus seguidores, você aumenta as chances de ver sua marca registrada e suas ofertas e conteúdos mencionados, comentados e compartilhados por pessoas.

5.3. Investimento em links patrocinados.

Outro suporte para impulsionar seu site vem de campanhas publicitárias. Plataformas como o Google AdWords são importantes em uma fase inicial de divulgação, quando os ajustes de SEO, o marketing de redes sociais e o conteúdo do blog ainda não tiveram o efeito esperado. Os links patrocinados são bons para gerar retornos de curto prazo e alavancar os resultados de negócios cada vez mais pontuais.

Você pode pensar que pensa que seria apenas uma pensão alimentícia do seu site atual e usará os anúncios que as vendas e os visitantes viriam do mesmo jeito, não é? Mas as coisas não são assim.

Se suas páginas não estão bem estruturadas e preparadas para receber visitantes e potenciais clientes, seu dinheiro será desperdiçado. Afinal, os anúncios só ajudam a trazer os regulares para as ofertas e o conteúdo, mas as conversões não acontecerão se o usuário entender que é ruim.

Se você se identificou com todos ou com a maioria dos sinais apresentados ao longo deste texto, você precisa fazer uma revisão detalhada em seu site. Não está quase a partir de 0, mas quase sempre traz uma estrutura que pode atender a todos os requisitos de qualidade.

Você não pode mais perder tempo e dinheiro em um site que não se destina nos primeiros resultados do Google, o que não é adequado para uso pelo celular, o que oferece uma experiência de usuário pobre, o que não traz visibilidade e, pior, não gerar vendas.

Sabemos que as mudanças são difíceis de implementar, com isso desta forma. Portanto, considere contratar um órgão que atua no megacosmo de sites e que pode torná-lo uma máquina para gerar leads e clientes para sua empresa. Mais do que apenas refazer o site, é importante conhecer as estratégias para promover suas ofertas.

Então, lemos a leitura do post “Como analisar o SEO do meu Site ?“.

By |2017-10-22T00:54:28+00:00outubro 21st, 2017|criar sites|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário